margarida soares

A minha foto
dedico-me diariamente à arte de viver

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

isolo-me do grupo e sentada na relva, acendo o cigarro que me resta. são duas da tarde, portanto esperam-me 72 horas a bater o pé, por falta de nicotina. aqui não há tabaco, não há lojas a apelar ao consumismo, não há vícios. é a vida no meio do campo, ouço um grilo algures e peço para que não se aproxime de mim, tenho um medo danado de bichos.
quero voltar à praia da minha vida, por estranho que possa parecer, não tenho saudades de casa mas sim da vida que tinha até à semana passada. na semana que passou defini os meus objectivos para o próximo ano. a experiência vivida é algo indiscritivel. a paz que alcancei é inigualável. o silencio é o meu melhor amigo neste momento.
(4/09/2010)
-------------
gostava de não ter perdido esta paz, que tão bem me fez!

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

quero saltar daqui para fora!


a mudança poderá trazer alegrias, desilusões e sobretudo traz muitas incertezas. não sei se o vou fazer, não sei se não me arrependerei, mas provavelmente vai ser bom e mal não fará a ninguém. o mais provável é que ninguém note, que ninguém sinta a minha falta.
estou certa de que um novo ambiente, uma nova vida, uma nova rotina, novos amigos e uma nova escola me faram muito bem.
sempre lutei e não tenho medo algum de o fazer, as coisas nem sempre se desenrolam como queremos e como eu sou apenas mais um dos comuns mortais, também na minha vida as coisas não correm como eu gostava que corressem.
o meu ser vive de medos, daí que tenha de ponderar bastante tal decisão que me acarretará tanta mudança, mas já não tenho muito a perder. agora no meio de tanta gente falsa parece que sou a peça principal, sem que a acusação olhe para si própria e reveja em si os defeitos que apenas aponta nos outros, afastei-me e posso ter contado a todos menos a ti o que sentia, mas nunca proferi uma palavra maliciosa em relação a ti. gostaria de acreditar que depois de uma amizade que supostamente teria sido importante não acreditasses simplesmente no que alguém, que não sabe realmente olhar para o seu maior defeito e faz tudo para se escapar dele e o aponta como sendo o defeito dos outros, diz.
tenho pena e falta-me a coragem para seguir em frente e te dizer o porque desta situação, tudo porque parece que já não tens tempo para me ouvir e eu já não sou digna da tua atenção.
gostava de saber o que mudou em mim, para que tivesses feito com que tivesse de mudar a minha atitude para contigo,
com saudade (L)

terça-feira, 5 de outubro de 2010

estado lastimável

acabo de carregar na hiperligação para ver os meus novos comentários, enquanto ouço a música das noites que por lá passei, e de repente um comentário completamente inesperado que me faz sorrir, o qual eu não esperava. resolvo ler o texto, ao qual pertence o comentário, para me relembrar do que foi escrito e a meio dou por mim a chorar desalmadamente e a pensar que o que escrevi à um mês continua a ser a realidade. TENHO TANTAS SAUDADES. nos últimos dias tens dado que falar cá em casa, depois de perceber que não posso abdicar já do papá e da mamã, tenho-me aliado à mamã e tem sido uma grande amiga. vou seguir os conselhos dela, cheia de medo e a tremelicar por todo o lado, sei que é o que está certo e apesar de saber que não vou estar nada à vontade, vou lá estar. não quero que isso possa dar fim a isto!

terça-feira, 28 de setembro de 2010




Regras do selo:

1 - Comentar o blog da criadora (s. do blog pages of a book)
tarefa concluída, sem qualquer drama
2 - Enumerar os sentimentos que prevalecem em vocês.
a minha cabeça está uma confusão, não sei se realmente tenho grande espaço para sentimentos. talvez duvida, incerteza, saudade, ansiedade, desespero e esperança. esperança de voltar ao sitio onde fui tão feliz.
3 - Referir o que vos deixa sentir extremamente bem, feliz e/ou livre.
viajar no meu mundo, a ideia de ter uma nova vida daqui a um ano e o saber que vou voltar daqui a uns meses para perto do mar.
4 - Passar a 3 blogs que vos consigam transmitir o que os seus respectivos criadores estão a sentir.
"Pesadelos de um Sonho" - PatríciaM
M&M - Madalena Maria
do you have bad habits? - t

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

a mamã grita da cozinha para que vá jantar e tomar banho, mas eu aqui vou ficando a pensar no que passou, no momento em que deixei aquele local para trás e fui vendo as casinhas a ficarem distantes, chorei e lembrei-me apenas das coisas boas. não me despedi de muitas das pessoas que mais gostei de conhecer e estive duas semanas sem poder partilhar contigo as minhas tristezas, as minhas ansiedades, as minhas confusões e as minhas preocupações. disseste-lhe que estou chateada contigo, não estou e não tenho de ter cuidado com nada. sou tua amiga, porque se não fosse, não teria feito muito do que fiz por ti. não tenho de ter cuidado porque não tenho nada a esconder-te mas fico triste porque tenho a impressão de que não gostas dos meus outros amigos e fico cansada por quase passares mais tempo chateada comigo do que a viver o verão comigo. este era o nosso verão. lembras-te? é assim que acabamos? tenho saudades mas não tenho mais força para ir atrás de ti

quarta-feira, 30 de junho de 2010

voltarei...

... não sei quando, mas voltarei.


talvez daqui a umas semaninhas e vou ter saudades, muitas saudades. este blogue faz-me tão bem :D

o pânico isola-me, a confusão baralha-me e todo o teu ser me faz pensar e repensar. não sei o quero, não sei o que sinto, não sei o que faça. parece que o destino me encaminha na direcção do mar, eu aceito o rumo que me dão e sigo-o. amanha de manha, acordarei, pegarei na mala e seguirei rumo ao oceano. vou sozinha sem saber o que fazer ao chegar. estarei junto da pessoa que mais amo, mas que deve estar bastante desapontada comigo. é normal. mas a minha vida é um mundo de nada e tudo o que neste momento quero está inalcançável, portanto tenho de viver minuto a minuto.

terça-feira, 22 de junho de 2010

solidão entre pormenores de milímetro

"amanhã vou acordar, desligar o telemóvel, fazer um bolo e viver a solidão de quem está sozinho, entre rabiscos e pormenores de milímetro" - pois bem, o telemóvel desliguei-o mas já o voltei a ligar, o desespero deu-me a volta ao estômago e a solidão deu lugar a uma tristeza qualquer esfuziante, mas tudo passou quando recebi uma sms ainda melhor que a da 12:02. esqueci-me de quem nada me disse e sorri por aquele ser encantador, que mal sabe o meu nome, se ter lembrado de mim!

sábado, 19 de junho de 2010

meu bem @

não tinha qualquer intenção de te magoar, fazer sofrer ou chorar. és a minha melhor amiga e hás-de ser sempre, pois mesmo depois de um ano afastadas, eu tive esperança de que conseguiria alcançar-te novamente e conquistar o teu amor. eu gosto tanto de ti, conheço-te desde a escola primária, guardo dentro de uma caixinha os postais de natal, as fotos, as memórias, tudo. guardo memorias de férias inalcançáveis, de tardes de conversa, de noites de choro ou de riso. e a ti, a ti, guardo-te no meu coração. "nem tudo o que parece é", é a frase adequada para descrever tudo isto. nem todos os textos são baseados em factos reais, sim podem ter sentimento (mágoa, angústia, desespero e alegria), mas não são totalmente reais. se algo me incomodasse ter-te-ia dito e pediria-te para que mudasses isso, seria sincera. não te mostrei isto de animo leve, porque todos temos segredos só nossos e este era o meu, mas partilhei-o contigo, porque te confio a minha vida. se achasse que isto te poderia magoar, teria reflectido se deveria mostrar-te ou não. nada aqui tem a intenção de te magoar, isto é tudo um mal-entendido. e meu amor, eu amo-te muito! até velhice, nunca te esqueças!

quinta-feira, 17 de junho de 2010

não faço ideia das horas que são, suponho que já tenha passado uma meia hora, desde as duas da tarde e imagino que tenham passado uns dez minutos desde que acabei o miserável exame. confirmo que são 14:30H, agora que acabei de olhar para o relógio da minha melhor amiga que se encontra na carteira de trás, a realizar calmamente o seu exame. sim, devia estar a fazer o exame para alguém saber, que eu sei o que se passou nos tempos passados. pois, aqui o maior problema é que não sei, nem isso, nem nada. não me lembro sequer do que li ontem à noite em voz alta, antes de dormir. sabia um pouco de tudo, mesmo do que está no exame, mas agora não sei nada. quando disse à mama que a 2ª fase esperava por mim, não tinha qualquer ideia de que isto iria correr tão mal. olho à minha volta e todos estão concentrados em realizar as questões da primeira página e isto quando a maravilhosa da minha capacidade de raciocínio e o poderoso do meu cérebro já realizaram todo o exame. pena que não tenha sido da melhor maneira. todo o ano tirei boas notas e não tirei mesmo excelentes, porque preferi boas horas de descanso a boas horas de estudo, mas agora que até estudei, vou certamente tirar a nota mais baixa da história dos meus anos de secundário, quem sabe se não será dos meus anos de escola até hoje. ESTOU TÃO FARTA E CANSADA!
(escrevi isto às 14:30H durante o exame)
iniciei um contador de visitas. tenho curiosidade, quero saber quantas gentes se dão ao trabalho de ler tais barbaridades como as que escrevo. gosto muito de quem lê o meu blog! ;)

(iniciei o contador no 20, que corresponde mais ou menos ao número de comentarios que por ai tenho)

quarta-feira, 16 de junho de 2010

deixa-me chorar


eu preciso de chorar

faz-me bem chorar


chorar nunca fez mal a ninguém


o que mais me enerva é não estar nervosa

PORQUÊ?

quando já não consigo tolerar mais livros perto de mim, este cantinho faz-me sentir viva e em contacto com o mundo, mesmo estando fechada entre quatro paredes com um monte de exercícios para resolver e mais de 600 páginas para meter na cabeça. o que eu queria mesmo era ouvir-te dizer que vais ter o verão todo só para mim, mas em vez disso, dizes-me que aquela e outro, e mais o amigo de não sei quem, vão passar o verão todo connosco e que vamos todos habitar a mesma casa. nada poderia piorar mais o meu dia, do que saber que vou passar o verão com um monte de desconhecidos, com quem não faço intenção de ser simpática. o pior não são os desconhecidos, ou saber que não me vou sentir à vontade com eles, o pior é saber que não queres estar comigo, só comigo.

terça-feira, 15 de junho de 2010


o tempo escasseia, e a esperança esmorece. a desilusão invade todo o meu ser e acabo por pensar em desistir. num dia, vou conseguir deitar a baixo todo o trabalho de mais de um ano. vou passar um verão a lutar por um futuro inesperado, um tempo que nem sei se vou ter. poderia estar a aproveitar o presente e a fazer tudo o que me faz feliz e que me apetece fazer (como estar ao teu lado), mas não, tenho de pensar e agir de modo a salva guardar um tempo que nem sei se vou viver. entro em desespero puro, liberta-me.

segunda-feira, 14 de junho de 2010

o segredo do passado


amo o secretismo, o sentir de que sou eu e apenas eu, já senti isso em relação a este blog, apesar de saber que a minha escrita não é nada de incrível, gostava de saber que aqui podia deixar fluir as ideias sem que ninguém soubesse quem sou, sem que ninguém me julgasse e fizesse mais questões. mas e agora? agora, espero ser só tu e eu, porque sei que tu não me julgas e espero que consigas guardar este segredo, mesmo quando o tema de conversa for saber de quem é aquele ou o outro blog. a confiança que deposito em ti, à quase um ano, nunca falhou e sei que não irá falhar agora. um grande amo-te!

sábado, 12 de junho de 2010

meu amor, meu pequeno amor

a ingenuidade desfaz-me dia após dia, deposito todas as minhas esperanças em ti, mas enganas sempre uma parte de mim. tento não te deixar fazer de mim o que queres, mas tu, ganhas na maioria das vezes. não gostas de mim, gostas da vida que achas que te posso dar, gostas do meu dinheiro e apenas.
vais descobrindo os meus pontos fracos, a pouco e pouco. e eu, vou-me deixando seduzir. isto parecia mesmo a historia da Alice no país das maravilhas, mas todas as histórias têm capítulos infelizes, e esta está no capitulo em que a Alice abre os olhos e percebe que se quiser algo deste perturbador ser, tem de comandar e abrir os olhos, esquecer a angústia, perder a vergonha e deixar de lado a ingenuidade.
a Alice esteve prestes a cair nas garras do maldito, mas abriu os olhos e agora o pior que pode acontecer é ser, o ser a procurar a Alice, percebendo que ela afecta o seu modo de viver, e que gosta mais dela, que do dinheiro dela.
será que a Alice se consegue tornar perturbadora? só o tempo o dirá!

(a escrita deste texto foi perturbada por uma chamada, depois modifico isto!)

quinta-feira, 3 de junho de 2010

uma nova personagem apareceu no filme, no papel de amigo. as actrizes secundárias dizem que ele e a personagem principal ainda vão ter um caso e alguns figurantes acham que já aconteceu algo entre eles. pergunto-me se virá a substituir o antigo personagem principal, mas não obtenho resposta, a única coisa em que penso é que seria uma boa substituição, mas apenas para o lugar de amigo. apesar de imaginar a magia que seria a personagem principal acabar o filme apaixonada pelo príncipe do cavalo branco que a faz rir e a faz ter o pensamento inundado de memórias, não acredito que fosse para sempre, devido ao feitio de ambos, daí que estejam melhor como amigos. pois quando a personagem tem relacionamentos com este tipo de amigos, conclui sempre que não deviam ter tido nada e deviam ter continuado amigos sem qualquer relação. não vou repetir o mesmo erro, esta personagem é apenas um amigo.

domingo, 30 de maio de 2010

hoje é o dia das amigas!


porque? porque eu quero!
CMDMDAIB (L)

segunda-feira, 10 de maio de 2010

não, acabou.

fugiste?

pois bem, escusas de fugir. podes partir que já não vou impedir-te. já não me fazes parar de viver, já não me fazes viver para ti. já não tens a importância que tinhas e não é porque tenha deixado de gostar de ti, mas pela desilusão que me tens causado. não foi a troca, não foi a traição, foi o que aconteceu durante. sei o que aconteceu e agora sei também a versão que por aí contas-te.


concluo, realmente, que nada vales.



ACABOU


(o acreditar em ti, não a angústia)

quinta-feira, 6 de maio de 2010

vómito

como é que me podes ter usado de tal modo?
fazias-me sentir especial, agora fazes-me sentir usada e completamente vulgar.
preferia nunca ter sabido das coisas que sei hoje, mas o conhecer demasiada gente tem destas coisas e um simples conhecido falou-me da versão que contas-te aos teus amiguinhos. andas-te a vangloriar-te, espero que estejas muito feliz.
percebi que para ti qualquer uma serve, és mais um igual a tantos outros que usam e abusam para no fim deitar fora.
tenho estado fora de mim, num estado lastimável, afectada pelo meu sistema nervoso que insiste em dar-me tonturas, fazer-me ter calor e suar das mãos enquanto escrevo isto, tenho simplesmente vontade de vomitar tudo o que à muito não digo.
participei numa espécie de um qualquer ritual que me faria desprender-me de ti e do sofrimento que me causas, mas ainda não está a surtir feito. (não acredito nessas coisas, só a minha cabeça e sobretudo, o meu coração mudarão as coisas)
deixei de te querer amar e passei a desejar vingança na minha cabeça, mas nada farei, a vingança não me leva a nada.

terça-feira, 20 de abril de 2010

não vou mentir, tento enganar tudo e todos ao fingir que nunca senti nada por ti, e nunca fui grande mentirosa, mas estaria a sair-me muito bem se me conseguisse enganar a mim mesma. hoje estremeci ao ver-te pela manhã e agora estou a pular de felicidade só porque acho que aquela por quem me trocas-te não faz parte da tua vida. se me trocas-te e fizes-te com que sofresse tanto, se discutíamos tanto, se me metes tanta raiva porque é que não paro de pensar em ti? serão as boas memórias a vir ao de cima? sim, também tenho boas memórias

domingo, 11 de abril de 2010

hoje senti na pele o carinho de quem sente cada instante como se fosse uma vida. senti calor humano de pessoas que se entre ajudam. tive medo do principio ao fim e agora que abandonei este mundo à cerca de 5 horas, continuo a sentir um desconforto enorme dentro de mim.
como é que as pessoas como eu podem precisar de tanto para viver? hoje olhei para pessoas de quem a maioria de nós sente pena no dia-a-dia. mas pena de quê? devíamos ter pena era de nós próprios, por acharmos que eles são deficientes; sim, talvez possam ter diferenças em relação aos comuns mortais, mas garanto-vos, são mais felizes que todos nós juntos.
vi os sorrisos mais sentidos, senti os abraços mais calorosos e a hospitalidade de quem mais sente. eles sentem os pequenos momentos e estou certa de que não cometem os mesmos erros que tantos de nós passam a vida a cometer.
tenho a certeza de que não anseiam o futuro, nem montes de dinheiro, nem aquela casa ou aquele carro da marca X.
são felizes com o que tem e não precisam de mais. tem muito para nos ensinar e não os devíamos subestimar. sobretudo, não temos de ter pena, eles dão o devido valor às coisas, até aquelas pequenas coisas a que não ligamos e que tem tanto valor.
um simples abraço, um simples beijo para eles é muito e para nós é um agradecimento que recebemos a partir de um sorriso que transborda emoções. é um sorriso sentido, sentido de verdade. aqui não há sorrisos de vingança ou de fingimento, aqui tudo é puro.
irei voltar, até não ter medo. (L) GJ
aparentemente podem não ter nada, nem juízo, mas são felizes.
(rascunho guardado sábado, 10 de Abril de 2010, pelas 21h)

sábado, 10 de abril de 2010

mal-entendidos

foste apenas uma arma que usei para combater a memória que teima em não me fazer esquecer um amor que tanto mal me tem feito. agora que paro para pensar, não me arrependo de te ter usado, apesar de não ter alcançado o meu objectivo, esquecer. sou sincera estive contigo a achar que era com ele que estava, imaginei-me a sussurar no ouvido dele, imaginei-me a acariciá-lo a ele e a fazer tantas outras coisas que só com ele sentia. o meu pensamento e a minha alma não estavam contigo mas sim com ele, a ti entreguei-te o meu corpo. no fim, vi nos teus olhos que sabias que não conseguia dar-te mais do que isso, mas não insistis-te, não me questionas-te, não me sufocas-te com a tua vontade. sei que percebes-te que nunca vou ter muito a dar-te, mas sinto que descobris-te que não precisavas tanto de mim como achavas. era o desejo que te consumia que te fazia olhar para mim, não o amor. fico feliz pela tua descoberta, conseguimos fazer nascer uma bela amizade, entre dois seres que toda a vida estiveram juntos, mas que sempre foram estranhos um para o outro.

(gosto tanto de quando sabes que não estou nos meus dias, mas não me dizes nada porque sabes que a nossa amizade e tudo o que aconteceu não pode ser divulgado e depois me mandas uma mensagem e me dás as melhores palavras)


parece que a inveja por aí é muita, mas isso não muda nada; os segredos serão sempre só nossos, e quando assim não for deixaram de ser segredos e o teu tempo será meu sempre que precisar

quarta-feira, 7 de abril de 2010

10 anos, que diferença fazem?!

fugiste-me por entre os dedos. eras a minha melhor amiga e mesmo assim achas-te que uma nova vida, uma nova escola e um bando de novos amigos poderia mudar a nossa amizade. muito pode ter mudado em mim, mas o sentimento por ti perdura. não sei o que fez isto acabar, sei que talvez ninguém tenha culpa, queria apenas poder mostrar-te que por muitas mudanças ocorridas, nenhuma deveria ter acabado com uma amizade de infância. deixaste-me à mais de um ano, mas mesmo assim não esqueço nada do que passámos, e sonho todos os dias com a reconciliação, quando falei contigo no outro dia, achei que tudo poderia voltar e com tempo seria tudo vivido novamente, mas parece que houve algo que também voltou e resolveu achar que não deveríamos voltar a ser quem éramos, e o sonho destruiu-se novamente. tenho pena desta amizade perdida, mas não sei como a recuperar. quando tento, parece que não há espaço para tal, e tudo volta ao zero. o que queres realmente que eu faça? não sei se lutar mais, ou esquecer. mas se num ano não esqueci, conseguirei fazê-lo agora?





(de melhores amigas conseguimos passar a meras desconhecidas, não quero isso para nós)



segunda-feira, 22 de março de 2010




"A pouco e pouco comecei a perceber que não há respostas para tudo. E as poucas que existem, ou são erradas ou são absurdas."




Margarida Rebelo Pinto
(um dia quero viver num mundo igual ao de Margarida Rebelo Pinto e ser muito feliz, sei que vou conseguir)

domingo, 21 de março de 2010


não te deixes abalar pelos incontáveis actos diários do esquecimento.

sábado, 20 de março de 2010

a traição custa.


a verdade acaba por apresentar-se sempre de forma dura e crua. sinceramente, não acabei guardando rancor ou odiando-te por não me teres escolhido mas tive de me rir da situação e pensar que não fui eu quem ficou a perder, mas sim tu. segui em frente, ou pelo menos fingi. não vou dar parte de fraca e ficar perdida num canto só porque não fui a eleita. a vida foi feita para ser vivida e aproveitada, fico triste por saber que não a vamos aproveitar juntos, e fico ainda mais triste, por nem sequer ter direito a um bom dia ou um pequeno sorriso. é assim que descobrimos que nunca conhecemos verdadeiramente as pessoas.